DEFINIÇÃO DO PNEU
O pneu é um elemento importante na história do desenvolvimento da indústria automobilística.
Sem o desempenho de suas funções, pouca utilidade haveria em motores de alta potência ou carrocerias com melhores níveis de aerodinâmica.
Por ser o elo entre o veículo e o solo é o responsável por:
- Suportar o peso do veículo.
- Transmitir conforto à direção e aos passageiros.
- Assegurar a dirigibilidade do veículo.
- Transmitir os esforços de tração e frenagem.

Os componentes comuns na estrutura de um pneu são:
A carcaça, os aros, os flancos (ou laterais) e a banda de rodagem.
De acordo com a arquitetura, os pneus podem ser classificados em diagonais ou radiais.
A principal diferença entre um pneu diagonal e um radial está na carcaça.
O pneu diagonal (convencional), possui uma carcaça constituída de lonas têxteis cruzadas perpendiculares umas em relação às outras.
Já, a carcaça do pneu radial, por sua vez, constitui-se de uma ou mais lonas com cabos em paralelo e no sentido radial.
As lonas de aço sob a banda de rodagem possibilitam a estabilidade da estrutura do pneu.
Segundo BNDES (1998), além das diferenças quanto à direção, os pneus radiais possuem maior teor de borracha natural.
Ainda existe a diferenciação quanto à utilização ou não de câmara.
Os pneus sem câmara possuem uma camada de borracha especial, que garante a retenção do ar.

HISTÓRICO DO DESENVOLVIMENTO DO PNEU
O início da história do pneu se dá em 1830 quando Charles Goodyear desenvolve a vulcanização da borracha, o que permitiria que o material mantivesse suas propriedades de elasticidade no frio e no calor.
Este processo descoberto acidentalmente, ao combinar o cozimento da borracha a altas temperaturas com enxofre.
Esta descoberta abriu um campo inexplorado para a borracha, ainda pouco utilizada devido ao risco de se dissolver no calor.
Goodyear morreu em 1854, e seu nome é dado em 1898 por Frank Seiberling à empresa.
Ainda haveria cerca de 60 anos, desde esta invenção até se atingir o padrão atual.
Ou seja, preenchido com ar, sulcos na banda de rodagem e desmontável.
Em 1845, os irmãos Michelin na França patentearam pela primeira vez o pneu para automóvel.Nesta época, ainda maciço.
Em 1847, o inglês Robert Thompson colocou uma câmara cheia de ar dentro dos pneus de borracha maciça.
Em 1888, o veterinário escocês John Boyd Dunlop inventou o primeiro pneu preenchido com ar (ou pneumático).
Ele fixou mangueiras de borracha a rodas de madeira e cobriu as partes de contato com lona grossa.
Colocou esses primeiros pneus num triciclo e deu uma volta para testes. Sem encontrar maiores problemas, Dunlop prendeu fitas de borracha à lona para evitar que os pneus deslizassem e os testou numa bicicleta.
O resultado foi um sucesso e esse evento marca o início da história dos pneus.
Em 1889, Dunlop funda a primeira manufatura de pneus.
Em 1891, C.K. Welch inventa o pneu com cabos no talão, o que marca uma importante evolução na história.
Nesta época, se tornam conhecidas as inovações do produto associadas às competições.
Ainda em 1891, os irmãos Michelin patentearam pneus de bicicletas que podiam ser montados e desmontados manualmente.
Esta inovação surgiu da necessidade colocada por um ciclista em reduzir o tempo de conserto que na época era de três horas e uma noite.
Com isso, o tempo é reduzido e o ciclista Charles Terront, inglês, correndo com pneus desmontáveis, venceu a corrida Paris-Brest-Paris oito horas à frente de seu adversário mais próximo, e 24 horas à frente do terceiro colocado.
Em 1894, os irmãos Michelin inscreveram um carro com pneus infláveis em uma corrida entre Paris e Bordeaux e ganharam.
Em 1904, a Firestone e a Goodyear desenvolveram um padrão de mercado que foi amplamente utilizado por quase todos os fabricantes norte-americanos em 1908, os pneus com cabos em lados retos.
Em 1908, o Ford T é lançado, o modelo de automóvel de passeio lançado pela Ford que popularizou o automóvel e marcou o início da produção em massa.
Neste momento, os parques industriais de produção de pneus na América do Norte e Europa começam a se desenvolver.
Com o aumento da infra-estrutura dos países consumidores e da necessidade de aumento da vida útil do produto, diversas inovações são registradas nas décadas seguintes.
Em 1910, a B.F. Goodrich Company desenvolveu pneus de maior longevidade ao adicionar negro de carbono à borracha.
Em 1946, a Michelin inventou e produziu o primeiro pneu radial da história. Um padrão que rapidamente foi aceito no mundo inteiro.
Em 1955, a Michelin inventa os pneus sem câmara de ar.
Os fatos e eventos relatados acima mostram que o desenvolvimento do pneu ocorreu principalmente entre a Europa e os Estados Unidos. Além disso, que parte das empresas que contribuíram para o seu desenvolvimento ainda fazem parte da história recente da mesma indústria.

Fontes:
MICHELIN
GOOD YEAR

Voltar